"Inapelavelmente, há que se valorizar a palavra, na sua mais elementar forma, como na essência da perfeição do seu significado. Revigorá-la é um imperativo. Com o júbilo da coragem e do amor.
A palavra emerge. Viva. Desentranhada dos pensares de quem faz poesia. (Cavalcanti Barros)

"A poesia é a música da alma e, sobretudo, de almas grandes e sentimentais". (Voltaire)

"A poesia está mais próxima da verdade vital do que a história". (Platão)

domingo, 30 de maio de 2010

Soneto "Flor de Laranjeira"

Cavalcanti Barros



Num álbum de sonetos vi pedaços,
pedaços bem diversos de outras vidas.
Vi almas suspirando doloridas,
e de amarguras vi profundos traços.

Em cada página encontrei, esparsos,
doridos corações, almas doridas,
amor, paixão, saudades incontidas,
anseios, beijos, dor, sonhos e abraços.

E nessa singular promiscuidade,
senti, silente, a dor duma saudade.
Outras dores iguais também senti,

Como se fosse um espelho desta vida,
eu vi minh'alma, inteira, refletida
naqueles versos que em suspiros li.

Copyright © by Cavalcanti Barros
All rights reserved.

Um comentário:

Arlene disse...

Meu querido amigo e grande poeta, não escrevo aqui pelo Movimento da Palavra, mas por mim, para dizer da minha alegria em ver postado no nosso blog esta preciosidade que é o "Flor de Larajeira", um dos sonetos mais lindos que você já escreveu. Aliás, o meu preferido. É bonito demais. Um grande abraço de sua amiga/irmã Arlene.