"Inapelavelmente, há que se valorizar a palavra, na sua mais elementar forma, como na essência da perfeição do seu significado. Revigorá-la é um imperativo. Com o júbilo da coragem e do amor.
A palavra emerge. Viva. Desentranhada dos pensares de quem faz poesia. (Cavalcanti Barros)

"A poesia é a música da alma e, sobretudo, de almas grandes e sentimentais". (Voltaire)

"A poesia está mais próxima da verdade vital do que a história". (Platão)

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Homem menino


Ele deixou na rua

Toda aquela força

Cantada em verso e prosa

Desaviou-se do ímpeto

Dos rompantes, da ousadia

Desnudou-se.

Ficou nu e cru.

Em meus braços

Somente o homem

Transbordante de carinho

O menino carente de ternura.

Copyright ©2009 by Aydete Vianna
All rights reserved.

2 comentários:

Sandredy Marzo disse...

Amiga Aydete
Esse Homem-menino me fez imaginar coisas que o texto não diz. E o interessante: o "não dito" me deixou... extasiada!!Parabéns amiga!!! Belíssimo poema!
Beijos saudosos

aydete disse...

Sandra querida:
Vindo de quem vem o comentário, dessa mulher inteligente e culta que você é, fiquei muito feliz com o comentário sobre o meu poema. Todo poeta quer, apenas, ser lido e entendido. Acho que consegui entrar no seu coração, na sua alma madura e apaixonada pela vida.Isso me faz feliz.
Obrigada, mesmo, amiga.